COSMO-MEDITAÇÃO / AUTOCONHECIMENTO

COSMO-MEDITAÇÃO = AUTOCONHECIMENTO = AUTOREALIZAÇÃO (VERDADEIRA FELICIDADE)

 A verdadeira meditação, ou cosmo-meditação, é indispensável para a felicidade e plenitude do homem.

A genuína felicidade supõe que o homem se conheça a si mesmo, na sua realidade central, e viva de acordo com este conhecimento.

Autoconhecimento e auto-realização são os dois pólos sobre os quais gira toda a vida do homem integral ou univérsico. “Conhecereis a verdade” – disse o divino mestre “e a Verdade vos libertará.”

O autoconhecimento, que é a base da auto-realização, não é possível sem uma profunda cosmo-meditação.

O próprio Cristo, antes de iniciar a sua vida pública, passou 40 dias e 40 noites em cosmo-meditação permanente, no deserto, e durante os três anos da sua vida pública, referem os Evangelhos, Jesus passava noites inteiras na solidão do deserto, ou no cume de um monte, em oração com Deus.

O homem não é o seu corpo, nem a sua mente, nem as suas emoções, que são apenas o seu invólucro, o seu ego periférico. O homem é o seu Espírito, a sua Alma, o seu Eu-central, e para ter disto plena certeza deve o homem isolar-se temporariamente de todas as suas periferias ilusórias, para ter a consciência directa e imediata da sua realidade central, isto é, meditar ou cosmo-meditar. Quando o homem cosmo-medita, ele deixa de ser ego pensante e torna-se cosmo-pensado. Deixa de ser ego-agente e torna-se cosmo-agido.Deixa de ser ego – vivente e torna-se cosmo – vivido ou, na linguagem do Cristo: ” Não sou eu que faço as obras, é o Pai em mim que fez as obras, de mim mesmo eu nada posso fazer “. Ou na linguagem de Paulo de Tarso: ” Eu morro todos os dias, e é por isso que eu vivo, mas já não sou eu que vivo, é o Cristo que vive em mim “.” Se o grão de trigo não morrer, fica estéril – diz o Cristo – mas se morrer então produzirá muitos frutos. ” O ego é simbolizado por um grão de trigo, ou uma semente qualquer , o Eu é a própria vida do gérmen, que está na semente. O gérmen vivo do Eu não pode brotar, se a casca do ego não se dissolver. Quem não tem a coragem de morrer voluntariamente , antes de ser morto compulsoriamente, não pode viver gloriosamente no mundo presente.

É necessário que o homem morra para o seu ego estéril, para que viva o seu Eu fecundo.

Muitos querem saber quando e onde se deve cosmo-meditar. O divino mestre diz: ” Orai sempre e nunca deixeis de orar “. Orar não quer dizer rezar, que é recitar fórmulas. Orar, como a própria palavra diz, é abrir-se rumo ao Infinito, deixar-se invadir pelo Infinito; isto, segundo os mestres, é orar. Esta meditação permanente, esta meditação atitude, de que fala o Cristo, tem que ser precedida por muitas meditações-ato. A meditação permanente deve começar com meditações intermitentes. A melhor hora para a meditação é sempre de manhã, antes de iniciar qualquer trabalho. Quem não pode meditar de manhã, medite à noite, antes de dormir, mas, cuidado, quando alguém está muito cansado, depois dos trabalhos diurnos, é difícil fazer verdadeira meditação, porque a meditação é um trabalho muito sério. Acrobacia mental ou cochilo devocional não é meditação ou cosmo-meditação.

Convém que cada um tenha um recinto fechado e silencioso para meditar e que faça a sua meditação sempre à mesma hora e no mesmo lugar. A experiência diz que um recinto fechado se transforma, pouco a pouco, num santuário que facilita a meditação e a concentração mental, porque as auras e vibrações deste lugar modificam favoravelmente o próprio ambiente.

Quanto à posição do corpo, observa-se o seguinte: quem não pode sentar-se à maneira dos orientais, em posição de lótus, sobre as pernas dobradas, use uma cadeira de assento firme, de espaldar erecto, mantenha o corpo em atitude natural erecta, não cruze as pernas e coloque as mãos no regaço, junto ao corpo, mantenha os olhos semicerrados para favorecer a concentração. Uma luz suavemente azulada ou esverdeada ou pelo menos uma penumbra são muito favoráveis à concentração.
Antes de iniciar a cosmo-meditação, respire algumas vezes, profunda e vagarosamente para harmonizar as vibrações dos nervos. Durante a meditação, respire normalmente. A perfeita oxigenação do cérebro é uma condição muito importante e necessária.
Qualquer atenção à actividade corporal dificulta a meditação. Deve-se relaxar todas as tensões corporais e esquecer-se da presença do seu corpo. Sem relaxamento físico, não pode haver perfeita meditação ou cosmo-meditação.
Antes de meditar pode-se consciencializar palavras como estas: ” Eu e o Pai (Infinito) somos um.” O Pai está em mim e eu estou no Pai ) “, ou então : ” Eu morro todos os dias e é por isso que eu vivo, mas já não sou eu quem vive , é o Cristo que vive em mim “.
Depois de ter feito, muitas vezes, a meditação intermitente, em forma de actos diários, a pessoa verificará que a meditação se transforma, pouco a pouco, numa meditação permanente, sem ela saber, numa meditação atitude, perfeitamente compatível com qualquer trabalho externo, em casa, na escola, no escritório, na fábrica, na loja, em qualquer ambiente.
Esta meditação-atitude, consciente ou inconsciente, não impede, mas até favorece grandemente os trabalhos externos, que ficam como que iluminados e aureolados de um alo de leveza, beleza e felicidade. Então compreenderá o homem o que o divino Mestre quis dizer com as palavras: ” Orai sempre e nunca deixeis de orar”, isto é, ter sempre a consciência da presença de Deus (Infinito), mesmo sem pensar nada; ter consciência não é pensamento, consciência é um estado do Eu espiritual, mas não é um processo do ego mental. Quando o homem está em verdadeira consciência espiritual, ele não pensa nada, está com 100% de consciência espiritual e 0% de pensamento mental, e então ele entra num verdadeiro estado de meditação-atitude, que tem que ser preludiada por muitas meditações em forma de actos conscientes e supra-conscientes .
Convém preludiar a cosmo-meditação com alguma música de concentração
Nem todas as músicas clássicas dos grandes mestres induzem à concentração; há poucas músicas realmente de concentração, como, por exemplo 0 conhecido Hino a Bbrahma, também a Ave-Maria, de Schubert, e a melodia mística do Aonde Fores, Eu Irei .

Estas músicas e outras podem servir como prelúdio para a cosmo-meditação. Digo de prelúdio, mas não para acompanhar a meditação. Durante a cosmo-meditação deve haver silêncio absoluto, que é a música da Divindade, a música do Infinito. Este silêncio não deve ser apenas físico, mas deve ser também mental e emocional. O homem não deve fazer nada, não deve pensar nada, não deve querer nada durante a cosmo-meditação, mas ficar simplesmente na consciência espiritual.

Esse homem vai ser invadido, por assim dizer, pela alma do próprio Universo. Este universo não está fora dele, este universo, pelo qual ele vai ser invadido, está no seu próprio centro, é a sua consciência central, o seu Eu, a sua alma, o seu espírito. As suas periferias vão ser invadidas pelo seu centro, porque é regra e lei cósmica: onde há uma vacuidade, acontece uma plenitude.

Se o homem consegue esvaziar-se completamente de todos os conteúdos do seu ego humano, infalivelmente vai ser invadido pela alma do universo, que não está fora dele, mas dentro dele mesmo. Esta invasão é automática, mas o esvaziamento do nosso ego é nossa tarefa própria. E aqui está a grande dificuldade. O nosso querido ego não quer ser esvaziado das sua actividades, porque ele não sabe nada fora disto. Ele defende-se contra este ego-esvaziamento. Mas se alguém consegue este ego-esvaziamento, vai ser invadido pela alma do próprio universo; mas, cuidado, para o principiante é difícil este ego-esvaziamento, sem cair em transe, na sub-consciência. Se isto lhe acontecer, nada vai acontecer de grande na cosmo-meditação, porque no subconsciente não podemos realizar-nos a nós mesmos, só podemos realizar-nos no supraconsciente. Portanto, quando alguém deixar de pensar e de querer alguma coisa – não caia em ou na inconsciência ou sub-consciência, porque isto não resolve nada; tem que subir à supraconsciência, à cosmo-consciência.

A cosmo-meditação, quando praticada por muito tempo, resolve todos os problemas da vida humana. Isto é infalível. *

O meditante sentirá, pouco a pouco, firmeza e segurança, paz e tranquilidade e uma profunda e permanente felicidade. Todos os problemas dolorosos da vida serão resolvidos depois de alguém se habituar a uma profunda e verdadeira cosmo-meditação.

A cosmo-meditação é a base da Auto-Realização.

Huberto Rohden.